quinta-feira, 17 de março de 2016

O BRASIL.....


Me pediram para escrever sobre a situação atual do nosso país. Uma tarefa aparentemente fácil, pois seria necessário descrever o que está errado e "baixar a lenha". Mas não é bem assim. Para entender realmente a situação é necessário compreender todo o contexto em que está crise política está inserida. Não podemos ser iludidos nem pelos discursos de inocência e muito menos por materiais editados pela imprensa. No Brasil ela não é, e jamais foi imparcial. Acreditar na imparcialidade da imprensa é de uma ingenuidade perene, é a mesmo coisa que acreditar que Lula, Aécio e toda essa tropa são inocentes. 

Por isso antes de sair atirando pedras, reflita antes, pense. Criticar e desconstruir é muito fácil. Sugerir, realizar, fazer, já é bem mais complicado.
Quero lembra-los que essa mesma oposição e muitos deputados que hoje condenam os atos de Lula e do governo são os mesmos que anos atrás venderam seus votos no Parlamento, em troca de favores,verbas e cargos para aprovar os projetos populistas, do qual hoje a conta está bem alta. Reformas populistas agradam o povo, maquiam a realidade, mas não resolvem as questões que tem que resolver.
A primeira coisa nesse momento que tem que ser estancada é a corrupção, essa veia aberta jorrando sangue sobre a população. Mas temos que fazer a autocrítica, neste país a corrupção é uma prática comum não só dos políticos, mas de grande parte da população que comete "pequenas corrupções". E são esses pequenos corruptores que quando chegam ao poder formam as quadrilhas de colarinho branco que não usam armas, mas matam cidadãos nas filas dos hospitais, matam a esperança do jovem, acabam com a dignidade do velho. Mas não são eles que tem que acabar com a corrupção, somos nós.Não adianta em ir pra rua hoje pedir justiça e cometer injustiça na urna depois. É nós que temos que ter vergonha na cara e parar de votar nessa cambada de parasita, que sugam o sangue, o suor, os sonhos......é nós.
Fabrício Colombo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário