segunda-feira, 14 de março de 2016

O TEMPO NUNCA PARA

Esse tempo nunca para
O sonho que não chega
Vida sem graça
Felicidade que tropeça
Aventura que não vem
Perdi mais um trem
Novamente dizendo amém.
O tempo nunca para
Solidão que bate a porta
Me rodeia e sempre volta
De novo me mal trata
Ferida que nunca sara
Dor que não passa
Silencio que nunca fala.
E o tempo não para
Não dá descanso
Jogo que não venço
Desejo que não alcanço
Não encontro saída
Pra essa vida destruída
Na ilusão oferecida.
O tempo nunca para
Vejo no espelho minha cara
O tamanho dessa tara
Um encontro com a loucura
E o tempo nunca para.
Fabrício Colombo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário